Páginas

quinta-feira, 15 de março de 2012

MAPUTO, Prostitutas arriscam a vida por 200 meticais

Moçambique é um dos países mais pobres do planeta e que tem 11,5% da sua população infectada com o vírus do HIV/SIDA, de acordo com dados do Inquerito Nacional Sobre o HIV/SIDA (INSIDA) realizado em 2009 - um dos índices mais altos do mundo, prostitutas arriscam suas vidas diariamente porque muitos de seus clientes se negam a usar preservativos.

A nossa reportagem, escalou a baixa da cidade de Maputo no último fim-de-semana para viver in-loco a situação de sexo comercial que tende a ganhar contornos alarmantes uma vez estar a ser praticada tambem por adolescentes, algumas das quais alegando estar a praticar a actividade por simples prazer e outras para o seu auto-sustento.
“Quando pedimos aos clientes para usarem preservativo, alguns aceitam, mas outros não querem nem ouvir", disse Martinha, 28 anos de idade, prostituta que frequenta a “zona quente” há seis anos.
Em Maputo, o comércio do sexo começa no fim da tarde nos principais centros daquela actividade, nomeadamente as avenidas Olof Palme, Julius Nyerere, Kennet Kaunda e 24 de Julho que ficam cheias de prostitutas, algumas beirando os 14 anos, que em muitos casos migram para a capital vindas de regiões remotas do país.
A prostituição não tem legislação específica em Moçambique, mas o sexo como actividade comercial não é proibido.
“PAGO FACULDADE E SUSTENTO MINHA MÃE E MEU FILHO”
Anita, uma das trabalhadoras de sexo para quem o autor destas linhas se fez passar por cliente para conseguir informação, disse que frequenta uma das prestigiadas universidades de Maputo – que temos o registo do nome, mas que não publicamos por razões eticas – e não tem divida de alguma mensalidade, porque consegue pagar a sua escola sem muitos esforços com o dinheiro do negócio do seu prazer.
“a minha mãe e meu filho vivem na base do dinheiro que faço aqui”, disse a jovem de 23 anos de idade, que disse facturar diariamente cerca de dois mil meticais, valor que sobe para quatro a cinco mil meticais aos fim-de-semana dada a demanda pela procura dos serviço que ela própria orgulha-se de fazer “muito bem”.
Questionamos em que termos a jovem despede-se da mãe quando vai fazer o sexo comercial tendo respondido que “apenas digo que vou a faculdade, quando na verdade vou a faculdade de manhã, então ela pensa que de manhã vou trabalhar e estudo a noite”.
Quisemos saber ainda da jovem se lhe aparecer um namorado com boa proposta de mesada aceitaria abandonar a vida que leva ao que disse “basta pagar-me o valor equivalente ao daqui, ou seja 60 mil meticais mensal ou oferecer-me uma vida de luxuria”.
O autor destas linhas que aquando das negociações se fazia transportar no Toyota Grande Mark II, a versão mais recente da série Mark II, simulou aceitar a proposta de ser namorado da jovem, ao que ela aceitou de imediato.
Dia seguinte, na hora marcada ficou o nosso repórter estupefacto quando viu a jovem a sair de uma casa com condições básicas de sobrevivencia, e que nada segundo a sua vista justificaria que a jovem levasse aquela vida.
Tal resposta, levou-nos a concluir que maior parte de jovens que frequentam aquela actividade não está ligada a debilidades financeiras, mas sim para caprichos ou para procurar igualar-se as demais cujas familias estao dotadas de poder de compra.

10 comentários:

  1. gostei bastante da reportagem concordo com o que foi escrito por que conheço pessoas que fazem a mesma vida. para o reporter recomendava anexar fotos as suas reportagens.
    sabemos que esta actividade não é proibida em Moçambique se assim for e existerem individuos que consideram esta actividade como profissão seria importante que o governo legislasse para que elas podecem contribuir no orçamento do estado como outros funcionarios assim haveria provavelmente maior controlo de infecções por hiv. obrigado

    ResponderExcluir
  2. espero que esta notícia nao sirva de incentivo para muitas moças virarem prostitutas

    ResponderExcluir
  3. nao eu nao concordo ke o governo deve dar a licenca das pessoas que usam o sexo cmo profisao

    ResponderExcluir
  4. O melhor sistema de TV HD www.tvhd.com.br

    ResponderExcluir
  5. Não podemos julgar, estas raparigas não têm como viver, portanto SOBREvivem á base dessa "vida". Obviamente que há algumas sortudas que vivem bem, mas são muito poucos estes casos, a maior parte ganha o mínimo para comer e dormir, nada mais! Este país não precisa de legalizar, mas faz muito bem em não proibir. Moçambique ainda tem muito a evoluir.

    ResponderExcluir
  6. Deve se legalizar a prostituição pois isto e uma autentica desordem ,as pessoas são
    tratadas com se fossem objectos e não tem onde recorrer, entretanto satisfaz o desejo de muitos por ai.

    ResponderExcluir
  7. moz nao precisa de prostitutas cade voce Samora.

    ResponderExcluir
  8. EU SOU DA OPINIAO NA QUAL CRIE SE UMA LEI QUE PROIBA A PROSTITUICAO

    ResponderExcluir
  9. eu preciso duma prostututa quem se oferece mais que sabe fazer bem

    ResponderExcluir
  10. .
    "Tal resposta, levou-nos a concluir que maior parte de jovens que frequentam aquela actividade não está ligada a debilidades financeiras, mas sim para caprichos ou para procurar igualar-se as demais cujas familias estao dotadas de poder de compra" Descordo. Não sou a favor do que elas fazem. Mas também acredito que não é porque ela faz por capricho que muitas outras adolescentes tambm fazem. Para afirmar isso teria que se entrevistar muito mas de uma adolescente. Não gosto, não sou a favor, acho um grande pecado o que elas fazem, mas por saber também que a jovens que não estão la porque querem, que tem histórias de vida terríveis ( q pode não justificar o que fazem aos olhos de quem ve), respeito as porque nunca de sabe o que ela guarda dentro de si.

    ResponderExcluir

comente aqui